quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Delírio.

E esticando-se sobre a imensidão daqueles segundos, percebeu finalmente que não era tarde. Ele se levantou e resolveu dançar. Pois os bancos de praça serão sempre os mesmos: dos males, o pior.
Elevou sua voz, estilhaçada, em sete raios de sete cores sem cores.
Estranho mesmo foi o dia em que o momento percebeu o pobre rapaz no fim da festa:
Ele teve que arrumar as malas. Ele teve que saltar pra fora. Ele teve que ir embora.
Estranha mesmo foi a festa que ele deu no dia seguinte. Irremediável.

Um comentário:

rodrigoals disse...

vc está um pouco hermetico
mas ficou muito estiloso o texto!!!